As alterações decorrentes da privação de sono são conhecidas pela maioria das pessoas. Afinal, após uma noite mal dormida, é comum acordarmos no dia seguinte cansados. Outros sintomas são também comuns, como dor de cabeça, irritação, falta de concentração e ansiedade. No entanto, as consequências não param por aí. Qual a relação entre sono e obesidade? Segundo estudos americanos e franceses, a falta de sono pode acarretar em mudanças no apetite. As noites mal dormidas podem impactar em uma considerável diferença na balança. 

Relação entre Sono e Obesidade

Os pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos estudaram o impacto do sono no desenvolvimento de doenças. Neste estudo, constataram que pessoas que dormem menos de 6 ou mais de 10 horas por dia, têm maiores chances de desenvolver doenças. Entre elas: doença coronariana, diabetes, AVC, ansiedade e obesidade.

Já os franceses, através do Instituto Francês de Nutrição (IFN), realizaram um estudo da relação entre sono e obesidade. Nele, descobriram que quem não dorme bem sofre um aumento de 24% no apetite. Além disso, que estas pessoas buscam especialmente alimentos ricos em gorduras e açúcares.

A explicação, segundo os estudiosos, é a alteração hormonal que a privação do sono pode acarretar. As noites mal dormidas alteram o ritmo circadiano, conhecido como relógio biológico. Provocam também uma queda nos níveis de leptina. Essa substância regula o consumo de alimentos e sinaliza quando já comemos o bastante. Além disso, aumentam o nível de grelina, que estimula o apetite e produção de gordura. Essa modificação hormonal leva a desajustes endócrinos. Consequentemente, resultam nos ponteiros elevados na balança.

Os estudos ainda mostram que a privação de sono pode ir além na relação com obesidade. Parece aumentar não somente o apetite, como também a preferência por alimentos mais calóricos. Quem dorme pouco tem maior tendência para beliscar entre as refeições, temperar demais os alimentos e comer mais junk food.

Número Ideal de Horas de Sono por Noite

Entre as recomendações para evitar o efeito rebote na balança, está dormir de sete a nove horas por dia. A qualidade do sono também é importante. Ter um sono reparador, em que o processo de adormecimento acontece sem dificuldade e resulta em um despertar saudável, é fundamental. Acordar com a sensação de cansaço é sinal de que o sono está sendo insuficiente ou de que a qualidade do sono não está boa. Nesse caso, é importante avaliar com um especialista.

Distúrbios do Sono e Obesidade

A relação do sono e obesidade pode também ser inversa. Ou seja, o excesso de peso favorece o ronco e distúrbios do sono, como a Apneia Obstrutiva do Sono. Isso porque o excesso de gordura corporal comprime a garganta e torna a respiração mais difícil. Durante o sono, quando o corpo está relaxado e o estímulo do cérebro para respirar diminui, o peso acima da balança pode prejudicar o sono.

Por isso, se você já percebeu que seu sono não está sendo reparador, é hora de buscar uma solução. Algumas atitudes, como emagrecer, por exemplo, podem ajudar. Se, mesmo assim, você observar ronco ou apneia do sono, busque assistência profissional. Existem formas de tratamentos para os distúrbios do sono que resultam em melhor qualidade de vida e bem estar.

Para saber mais sobre o ronco e o impacto que causa na saúde, leia o ebook Mitos e Verdades sobre o Ronco. O material é gratuito:

sono e obesidade

Dr. Thiago Schwantes (CRO/SC 6817) é dentista especializado em Odontologia do Sono, com mais de 2 mil tratamentos já realizados no Brasil. Atende em sua clínica odontológica em Blumenau (Schwantes Odontologia), em Florianópolis (Somed) e em Itajaí (Atelier Dental Estética e Sono), todos em Santa Catarina. Para agendar sua consulta, entre em contato! 

Dr. Thiago Schwantes
Com mais de 2,4 mil tratamentos de Ronco e Apneia do Sono, Dr. Thiago Schwantes dispõe de profundo conhecimento técnico em Odontologia do Sono. A experiência se traduz na habilidade em oferecer aos pacientes soluções para ronco, Apneia e bruxismo, proporcionando-lhes qualidade de vida e saúde.